FAÇAMO-LO AGORA

(Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas)

Sem dúvida, o tráfico de seres humanos é um dos crimes mais hediondos contra a humanidade. O aumento das desigualdades associado ao desespero de milhões de pessoas vulneráveis, todos agravados pela crise da Covid-19, proporcionam às redes de tráfico de seres humanos o terreno perfeito para levar a cabo um dos maiores e mais hediondos actos de exploração sexual ou laboral. 

A maioria, mais de metade, de todas as vítimas do tráfico de seres humanos são pessoas provenientes de áreas em desenvolvimento, especialmente de áreas empobrecidas ou, quando apropriado, de áreas de guerra. Neste contexto, as redes de tráfico para fins de exploração sexual, que é sem dúvida a mais abominável de todas, recrutam as suas vítimas prometendo-lhes um futuro melhor quando, na realidade, tudo isto é um logro para obter lucros enormes à custa de objectivar e desumanizar aqueles que caem nas redes de tráfico, tratando-os como mera mercadoria, como meros objectos de consumo «descartáveis». 

De acordo com dados do UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime), o tráfico de seres humanos, especialmente para fins de exploração sexual, continua a afectar especialmente mulheres e raparigas (49% mulheres e 23% raparigas) e, em menor medida, homens e rapazes (21% homens e 7% rapazes). O pior de tudo, muito perto das nossas cidades, em plena luz do dia e por vezes com o conhecimento das autoridades, há vítimas de tráfico que são sistematicamente exploradas até ao esgotamento com o silêncio cúmplice daqueles que poderiam impedi-lo se tivessem realmente a vontade de o fazer. Um silêncio que, além do mais, contribui para continuar a estigmatizar, a destacar e a criminalizar as vítimas como responsáveis por um crime pelo qual nunca são culpadas.

Nenhuma vítima se encontra numa rede de tráfico de pessoas por sua livre vontade. Tendemos a não querer diferenciar entre «consentimento» e «vontade» sem pensar que, em situações de extrema necessidade, ameaças de morte ou pressões ambientais, uma pessoa pode concordar e, portanto, «consentir» em vender o seu corpo como objecto de prazer sexual ou em trabalhar incansavelmente em condições de escravatura mas, pelo contrário, nunca pensamos que, sem aquelas circunstâncias que a colocam numa situação de extrema necessidade ou vulnerabilidade, nunca o fariam voluntariamente. Por conseguinte, ninguém quer ser vítima de exploração sexual ou laboral. Basta de criminalizar e culpar as vítimas cujo único «crime» foi viver em zonas de fome ou de guerra. Basta de mentiras. 

Apesar dos esforços para combater o tráfico de seres humanos, as redes de tráfico ainda gozam de impunidade generalizada, tanto nos países de origem, onde o recrutamento tem lugar, como nos países de destino, onde são exploradas para pagar uma «dívida» que nunca deixa de aumentar de dia para dia. A exigência a todos os governos de todas as nações é clara: pôr fim ao tráfico de pessoas para qualquer finalidade e em qualquer parte do mundo onde quer que ocorra. 

Não esqueçamos que o tráfico humano é um ataque à dignidade humana inviolável de cada pessoa, uma violação dos direitos humanos das vítimas e, por esta razão, um crime contra a humanidade que deve ser perseguido até ao fim. 

Os seres humanos não são objectos de consumo, não são mercadorias, nem podem ser sujeitos ao jugo da escravidão sexual, laboral ou de qualquer outro tipo. Os seres humanos não são comprados nem vendidos.

Porque a vida e a dignidade humana não têm preço. 

Ponhamos fim ao tráfico de seres humanos. 

Façamo-lo agora.